3 de abril de 2012

Bau do Malu 36 - Diversões Escolares nº 3,6,7 e 9 (1960/1961)

A Editora Abril, em seus primeiros dez anos (1950-1960) lançou poucas revistas e nem todas alcançaram o sucesso desejado pelo boss Victor Civita. Se O Pato Donald (1950), Mickey (1952), Capricho (1952 - a primeira revista brasileira com fotonovelas), Ilusão (1958) e Manequim (1959) seguiram adiante com força (mesmo que o início de quase todas tenha sido aos trancos e barrancos), outras não tiveram sorte no mercado e sumiram em pouco tempo: Raio Vermelho (1950 - depois Misterix), Meu Bem ( 1952 - revista com quadrinhos românticos) ,Você (1958 - também com fotonovelas, mais requintadas) e Noturno (1959). A virada da década pareceu dar uma nova arejada na editora com o lançamento da pioneira Quatro Rodas (agosto de 1960). Diversões Escolares, outra dica do irmão argentino de Victor, Cesar Civita, começou muito bem neste mesmo ano de 1960 (e mesmo mês), apresentando uma revista em formatinho made in Itália (Fratelli Fabbri Editori, de Milão, mas produzida na Editorial Codex, da Argentina), no estilo "almanaqueiro" de Seleções, mas direcionada aos jovens em idade escolar. Com este foco, publicava seções educativas e de curiosidades, voltadas para as ciências, a natureza, trabalhos manuais e colecionismo - a seção sobre filatelia fez sucesso logo de início. Também incluía desde o começo, histórias em quadrinhos de dois personagens: Saturnino, um alienígena ("Saturnino descobre a Terra", de C.Solini) e o jovem índio canadense Alce Branco ( "Na aldeia dos índios", sem assinatura de autor). Detalhe curioso: no logotipo característico da editora nestes primeiros anos, junto à arvorezinha vermelha na capa, a inscrição "Editora Abril Didática". O intuito talvez fosse prosseguir com esta linha educativa ( o que só foi se concretizar mesmo com a Fundação Victor Civita, décadas depois).
Edição 3 - 15/10/1960
Anúncio de Quatro Rodas - ( edição 3)
Ainda em 1961, com as vendas aquém do esperado pela cúpula, houve uma reformulação na publicação, com o intuito de salvá-la. Cláudio de Souza, o "bombeiro" de plantão do seu Victor para resgates e salvamentos quase impossíveis, ficou encarregado das mudanças, que começaram com a troca de nome para "Diversões Juvenis". Mas os detalhes desta nova roupagem, vou deixar para o próximo Baú . Algumas dessas informações eu tirei das edições que aqui estão e que fazem parte do meu acervo, mas muitos detalhes preciosos e precisos vieram do excelente e pouco comentado livro "O Homem Abril - Cláudio de Souza e a história da maior editora brasileira de revistas", do historiador e jornalista Gonçalo Junior ( Opera Graphica Editora -2005), que assim como outras obras mais debatidas do autor ( Guerra dos Gibis 1 e 2) expõe todo o painel editorial de uma época, além de esmiuçar e investigar detalhes mal explicados ou esquecidos da história. Um dos melhores livros históricos/biográficos que já li e que ainda pode ser encontrado ( na Comix Book Shop, sai por R$49,00). Estas belas capas expostas aqui são made Italy, feitas por um tal de Cozzi A.
Edição 6 - 15/01/1961
HQ com Saturnino ( edição 6)

HQ com o jovem índio Alce Branco (Ed.6)
Edição 7 - 15/02/1961
Anúncio de Band-Aid ( edição 7)
Anúncio de Nescau ( ed.7)
Matéria sobre "os truques do cinema" (ed.7)
Anúncio da nova revista do Zé Carioca (ed.7)
Edição 9 (maio 61)
Seção "Os pequenos entrevistam os grandes" (ed.9). O entrevistador no caso,  Flávio de Souza, aqui com 7 anos, é filho do editor Cláudio de Souza. Flávio se tornou escritor, roteirista e produtor de TV ( é o criador do Castelo Rá-Tim-Bum)
idem
Seção " O Tio Filatelista" (ed.9)

8 comentários:

  1. Adorei seu blog, me fez lembrar dessas revistas que li e reli por muitos anos. Não eram minhas, eram do meu tio e por anos ficou em casa. Uma coletânea de informações que iam de receitinhas para crianças se aventurarem na cozinha, uma fadinha que respondia as questões da meninada, entrevistas com astros "iniciantes" (Elis Regina, por exemplo...rs), histórias em quadrinhos, experiências químicas, curiosidades (sempre guardei quais eram as 7 maravilhas do mundo antigo - serve muito para os joguinhos atuais de trivia...rs). Enfim, bons tempos e boas leituras... Rose

    ResponderExcluir
  2. Olá, Rose. Que bom que você gostou. O intuito é esse mesmo: tentar resgatar aqueles saborosos momentos de infância ou mesmo trazer para as novas gerações um pouco da rica História cultural e editorial produzida por grandes profissionais do passado. Valeu a visita.

    ResponderExcluir
  3. Ana Cláudia Marques3 de julho de 2014 17:38

    Eu me lembro de tudo isso! Até mesmo dos anúncios de Band-Aid e Nescau da contracapa. Do saturnino Biriba fazendo suas bagunças na Terra, o Tio Filatelista, a série 'Na Aldeia dos Índios', as entrevistas, artes manuais, lendas e curiosidades e estórias emocionantes envolvendo animais. Ah, também havia as versões em quadrinhos dos filmes Disney lançados na época e mais duas seções que tiravam dúvidas e davam conselhos à garotada. Eram o "Correio Barba Branca" representado por um gnomo barbudinho (obviamente) e "Estrelinha Responde", com uma fadinha.
    Meu irmão lia essa revista e eu também "pegava carona", daí...
    Muito obrigada por postar essas preciosidades e continue com o seu blog, achei genial!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  4. Ana Cláudia Marques3 de julho de 2014 17:39

    Eu me lembro de tudo isso! Até mesmo dos anúncios de Band-Aid e Nescau da contracapa. Do saturnino Biriba fazendo suas bagunças na Terra, o Tio Filatelista, a série 'Na Aldeia dos Índios', as entrevistas, artes manuais, lendas e curiosidades e estórias emocionantes envolvendo animais. Ah, também havia as versões em quadrinhos dos filmes Disney lançados na época e mais duas seções que tiravam dúvidas e davam conselhos à garotada. Eram o "Correio Barba Branca" representado por um gnomo barbudinho (obviamente) e "Estrelinha Responde", com uma fadinha.
    Meu irmão lia essa revista e eu também "pegava carona", daí...
    Muito obrigada por postar essas preciosidades e continue com o seu blog, achei genial!
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bacana, Ana Cláudia! ótima memória, ein? que bom que gostou. Continue acompanhando o blog, que outros posts nessa linha surgirão. Obrigado pela visita e pelas observações. abs

      Excluir
    2. Ana Cláudia Marques12 de outubro de 2014 20:33

      Eu que agradeço, amigo, por trazer todas estas lembranças de volta! :D

      Excluir
  5. Parabenizo-o pelo conteúdo cultural, bem como pelo resgate de uma época, em que a principal mídia ainda eram os livros - em especial estas coletâneas de origem européia - da Editora Abril (Didática) e ainda, citando os álbuns de figurinhas da EBAL (copyright Simon & Schuster-N.Y.), todos voltados para um "Aprendizado com Entretenimento" na faixa infanto-juvenil. E.... para os adolescenrtes, a coletânea "Enciclopédia Juvenil" com mais de 40 temas variados, em volumes do mesmo formato de Diversões e encadernados em bonitas capas plastificadas. 90 % dos autores eram escritores/professores norte-americanos, com excelente tradução no Brasil. Não se pode dizer, em hipótese alguma que na primeira metade da década de 1960 não havia publicações didáticas de qualidade. Assina o texto: Leonardo da Matta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem toda razão, Leonardo da Matta. Foi uma época em que a educação era tratada com mais seriedade pelos editores. Hoje, há mais ferramentas, mas infelizmente os interesses são voltados só para o lucro. Uma pena. Obrigado pela participação! espero vê-lo aqui em outras oportunidades.

      Excluir