13 de setembro de 2012

Naumin Aizen (1939-2012) e Edmundo Rodrigues (1935-2012)

Foto dos anos 60 na Ebal.  Na roda intelectual com Chico Buarque (com violão), Adolfo Aizen ( de óculos) e os escritores Paulo Mendes Campos (1º à esquerda) e Fernando Sabino ( 5º), Naumin Aizen ( o maia calvo, com cigarro na mão) em seu auge como editor.
Mais dois grandes batalhadores dos quadrinhos faleceram neste 2012: Naumin Aizen, editor e filho do inesquecível fundador da Ebal, Adolfo Aizen, e Edmundo Rodrigues, desenhista e diretor de arte que deixou marcas fortes ao longo de cinco décadas. Naumin, que faleceu em julho, mas só teve sua morte anunciada nesta semana, nunca mais se recuperou do precário epílogo da Editora Ebal, que chegou a maior editora de quadrinhos entre os anos 60 e 70, mas sucumbiu a diversos fatores administrativos e econômicos. Com a morte de seu inesquecível pai em 1991, as coisas que já estavam ruins, pioraram e o fim foi inevitável, deixando toda as pendências jurídicas e trabalhistas em suas costas. Atualmente morava em asilo mantido pela comunidade judaica do Rio. Já Edmundo Rodrigues, falecido no último dia 10, depois de produzir quadrinhos desde o final dos anos 40 e se aposentar durante outro fim traumático, o da Bloch, também nos anos 90, continuou desenhando esporadicamente para livros e nos últimos tempos frequentava ativamente o Facebook e mantinha um blog pessoal com suas reminiscências. A última edição da  revista Mundo dos Super Heróis ( nas bancas) traz uma ótima entrevista ( e eu creio a última) com Edmundo feita pelo Roberto Guedes - vale a pena ler. Matéria completa do UHQ, abordando a história desses dois essenciais profissionais dos quadrinhos nacionais, pode ser lida aqui:
http://universohq.com/quadrinhos/2012/n13092012_01.cfm

Nenhum comentário:

Postar um comentário