31 de janeiro de 2018

"A Indústria Fonográfica Paulista Através de Discos de 78 rpm"

Acervo Gilberto Inácio Gonçalves ( divulgação)
Antes de acabar o mês, quero deixar registrado aqui o prazer de ter participado do curso "A Indústria Fonográfica Paulista Através de Discos de 78 rpm", ministrado nos dias 23 e 24 no Centro de Pesquisa e Formação do Sesc. Nos encontros, eu e um grupo de 20 pessoas (que no segundo dia baixou para 15) vimos/escutamos/lemos o percurso da história do disco em São Paulo por meio de suas gravadoras e seus personagens mais importantes. Nessa reconstituição histórica, o ponto forte foram as audições de discos originais em 78 rpm, tanto os pioneiros, manuais, quanto os elétricos, sendo que alguns deles, raríssimos, nunca tinham sido tocados ao vivo em um curso. Esse acervo espetacular veio da coleção do próprio palestrante, o colecionador Gilberto Inácio Gonçalves, um dos maiores do Brasil no gênero, que além de colaborar intensamente com a historiografia musical - o outro palestrante do curso, o pesquisador e historiador Bruno Sanches Baronetti utilizou muitas informações do seu acervo para seu livro e artigos - tem um extenso e democrático canal no Youtube ( para procurá-lo lá, basta pesquisar pelo seu nome) e colabora com grupos específicos no Facebook. Outro destaque foram as peças e discos ( alguns com a assinatura de Thomas Edison datam do século XIX) expostos na mesa à nossa frente.

Itens raríssimos sob a mesa ( aqui e abaixo)







No primeiro encontro o foco foram os discos prensados por diversas gravadoras independentes que surgiram na cidade de São Paulo entre 1910 e 1920, como Phoenix, Imperador, BrasilPhone, Arte-Fone, Ouvidor, Parlophon, além da ponte que se manteve por algum tempo entre o mercado gaúcho e o paulista e a entrada de multinacionais como Odeon e Columbia em São Paulo. Neste bloco, ouvimos gravações pioneiras e raras de canções regionais, folclóricas, instrumentais e até hinos políticos e músicas patrióticas à sombra das revoluções de 1924 e 1932. No dia seguinte, o mote foram os sambas e desfiles de carnaval em bairros de imigrantes como o Brás e o carnaval negro dos cordões carnavalescos. Desta vez a audição nos trouxe pérolas do repertório de Nabor Camargo, Januário de Oliveira, Isaurinha Garcia, Linda e Dircinha Batista, Henricão, Carmen Costa, Germano Mathias, Adoniran Barbosa (em gravação raríssima), Demônios da Garoa, Geraldo Filme, Paulo Vanzolini, Talismã, Osvaldinho da Cuíca e Toniquinho Batuqueiro.


Os palestrantes Bruno Baronetti ( acima) e Gilberto Inácio Gonçalves
Os palestrantes entremearam as escutas com curiosidades, achados e detalhes históricos, enquanto passavam na roda obras primordiais para se entender o período. Dois dias foram pouco - ficou um gosto de quero mais. Afinal, quanto mais gostamos e nos distraímos com o que gostamos, mais o tempo passa depressa. Coincidentemente, acabei me sentando ao lado do baterista Gabriel Marotti, que mora em Santo André, cidade vizinha à minha, e trocamos várias figurinhas sobre o que estávamos vivenciando. Gabriel me surpreendeu com sua vontade em pesquisar as raízes musicais, o que não é lá muito comum para sua geração ( pós-90). Batalhador e perseverante, atualmente dá aula e toca na noite ( e em breve colocará no ar seu blog sobre bateria brasileira - assim que sair divulgo aqui). Quanto ao professor Bruno Baronetti, está, assim como o Gilberto, ativo no Facebook e nas redes sociais, e quem quiser adquirir seu ótimo livro "Transformações na Avenida: História das Escolas de Samba da Cidade de São Paulo ( 1968-1996) ( Ed. Liber Ars) é só entrar em contato por lá. E para quem não conseguir achar o Gilberto no Youtube, deixo abaixo o caminho das pedras ( ou das bolachas!):



Nenhum comentário:

Postar um comentário