1 de março de 2011

Baú do Malu 33 - Aventuras do Anjo - RGE (1960-1962)

Edição nº 15 - Julho de 1960
Edição nº 16 - Agosto de 1960
Edição nº 17 - Setembro de 1960

Edição nº 10 - Fevereiro de 1960
Edição nº 34 - Fevereiro de 1962 ( a RGE, neste ano "resolveu" não datar mais as edições)
Esses cinco exemplares de "Aventuras do Anjo" acima são dos itens que mais estimo em minha coleção de HQs. Essa devoção tem motivos fortes: os desenhos primorosos do mestre Flavio Colin ( numa fase inicial influenciada por Milton Caniff) certamente são um deles; o excelente estado das edições, outro. O Anjo foi o primeiro personagem "fixo" da carreira do genial Flávio Colin (1930-2002), que permaneceu como artista exclusivo da revista mensal por 43 meses, ou quase quatro anos ( a publicação durou cinco anos exatos). "Jerônimo, o Herói do Sertão" e as "Aventuras do Anjo" foram duas radionovelas que marcaram época e acabaram extrapolando a mídia rádio, transformando-se em filmes, seriados e gibis ( Jerônimo, na mesma RGE de Roberto Marinho, iniciou-se em julho de 1957 e durou seis anos no traço de Edmundo Rodrigues).
Depois deste explêndido começo, Colin seguiu sua saga heróica dentro dos quadrinhos e acabou se transformando num dos maiores artistas brasileiros da nona arte. Seu desenho com o passar das décadas, adquiriu contornos próprios e uma inimitável sintetização dos traços, passando por todos os gêneros possíveis, principalmente de temática brasileira. Fez terror à beça, folclore e dedicou a vida aos quadrinhos - se por um lado tornou-o um mestre, em termos financeiros foi um desastre. Ah, se Colin tivesse nascido na Europa! ( e olha que mesmo aqui, chegou a lançar álbuns para o velho continente).

Interna da edição nº 34: chiaro-escuro típico de Colin
Para fechar, só um detalhe a respeito das cinco edições: comprei-as há mais de 10 anos numa banca especializada, chamada "As Mil e Uma Leituras", na ponta da Praça da República próxima ao teatro. Essa banca saiu dali há pouco tempo ( por culpa do Kassab e sua "cidade limpa") e era um verdadeiro oásis para os apreciadores de relíquias. Suas coleções, impecáveis, ficavam estrategicamente escondidas atrás do balcão. Nada ali era barato, mas qualquer edição rara que você solicitasse - "Dick Tracy", "Bidu", "Globo Juvenil" - se não tinha, o dono ( esqueci o nome dele) conseguia depois. Não por coincidência, todos esses nomes citados estavam na ponta da língua quando consegui um dinheiro extra do orçamento para torrar em raridades. A outra opção era "Aventuras do Anjo". E não me arrependi.
Para saber mais sobre o mestre Flavio Colin, segue entrevista concedida ao Universo HQ um pouco antes de seu falecimento:
http://www.universohq.com/entrevistas/flavio-colin-uma-lenda-viva-dos-quadrinhos-e-brasileiro-com-orgulho/

4 comentários:

  1. o link foi perdido em uma atualização do site, republicaram recentemente:http://www.universohq.com/entrevistas/flavio-colin-uma-lenda-viva-dos-quadrinhos-e-brasileiro-com-orgulho/

    ResponderExcluir
  2. Olá amigo. Sou desenhista profissional e um grande fã do Colin. Fiquei muito feliz de achar esta tua postagem. É realmente muito difícil encontrar algo referente ao Anjo, com desenhos do mestre dos quadrinhos brasileiros. Desculpe te perguntar isso, vc venderia cópias xerox destas hqs? Eu compraria com certeza. Ou ao menos publicar mais imagens destas edições, quando você puder. Seria muito bom ver mais material desta fase do Colin, final dos 50 e anos 60, época em que ele já apresentava um estilo lindo e muito marcante. Amigo, muito obrigado!!! Abraço. Alexandre.

    ResponderExcluir
  3. Alexandre, fico feliz que tenha ficado feliz com essa postagem! me mande seu e-mail por aqui e quando der, eu escaneio em alta pelo menos uma história completa pra você. Aproveito, visto que você provou ter bom gosto, para te passar o link do blog Colecionadores de HQs, página homônima do grupo no Facebook, que traz várias matérias sobre os quadrinhos, incluindo os clássicos. Abraço. www.colecionadoresdehqs.com.br

    ResponderExcluir